Depressão

Quais são os sinais e sintomas da depressão ?

Existem vários sinais e sintomas que estão presentes na depressão, como os seguintes:
·    Tristeza ou irritação durante a maior parte do dia, quase todos os dias
·    Perda de interesse ou do prazer por atividades que antes eram agradáveis
·    Mudanças súbitas no apetite ou no peso, sem explicação
·    Insônia ou necessidade de sono aumentada
·    Agitação ou prostração
·    Sensação constante de cansaço ou perda de energia
·    Sentimentos constantes de inferioridade ou culpa
·    Dificuldade de concentração e em tomar decisões
·    Pensamentos freqüentes sobre morte ou suicídio


Os sintomas variam de pessoa para pessoa, sendo mais proeminentes em mulheres que em homens deprimidos. Existem ainda outros sintomas menos comuns que podem estar presentes, como queixas de esquecimento e apatia.


O que causa a depressão ?

A depressão é causada por um desequilíbrio nas concentrações de algumas substâncias do cérebro. Outras coisas podem causar ou favorecer o surgimento da depressão, tais como:

·    Experiências negativas de vida como um divórcio, morte do cônjuge, perda de um emprego ou problemas financeiros
·    Abuso de álcool ou outras drogas
·    Algumas medicações e outras doenças
·    Em mulheres, mudanças hormonais após o parto
·    História familiar de depressão
·    Em idosos, doenças como o câncer, Alzheimer, Parkinson ou incontinência urinária

Mesmo que a causa da depressão não seja identificada, na maioria dos casos há a possibilidade de melhora através do tratamento adequado.

 

A depressão tem tratamento ?

SIM.  Mais de 80% das pessoas melhoram com o tratamento apropriado. Os tratamentos para a depressão incluem principalmente a psicoterapia e os medicamentos. A psicoterapia é popularmente chamada de terapia para conversar. Na depressão a psicoterapia ajuda o indivíduo a identificar e entender um pouco mais sobre a doença e como evitá-la no futuro.  Os medicamentos que corrigem o desequilíbrio químico das substâncias no cérebro são chamados de antidepressivos. Os medicamentos atualmente utilizados geralmente são bem tolerados, eficazes, seguros e não causam vício ou dependência, mesmo se utilizados por muito tempo e em doses elevadas.  São necessárias algumas semanas para que o efeito dos antidepressivos aconteça. Até que o efeito ocorra, não se deve exigir do paciente com depressão uma mudança radical de comportamento, porque ele ainda não vai estar pronto para isso. É muito importante que o paciente e seus familiares compreendam que a depressão é uma doença médica real e que necessita de tratamento específico.


Como você pode ajudar no seu tratamento ?

Diga ao seu médico o nome de todos os medicamentos que está em uso e que fez uso nos últimos 15 dias, mesmo os que não necessitam de receita médica, como vitaminas e medicamentos naturais. Se você for acompanhar um paciente idoso com depressão, lembre-se de anotar o nome de todos os medicamentos que ele faz uso para entregar ao médico. Siga todas as recomendações de seu médico sobre como, quando e por quanto tempo tomar o medicamento por ele prescrito. Caso sinta algum efeito colateral durante o uso do medicamento, contate seu médico para saber o que deve ser feito. Utilize a medicação exatamente na dose prescrita e durante o tempo recomendado pelo seu médico, mesmo que você já se sinta bem. Se você não seguir essas recomendações é possível que a sua depressão retorne, talvez pior.


O que mais pode ser feito para ajudar a tratar ?

Não tenha vergonha nem medo de ter depressão; ela é uma doença e tem tratamento. Sempre converse com seu médico sobre como se sente, o que mudou e quanto mudou. Qualquer  sensação diferente, agradável ou não, deve ser dita, pois pode ter relação com o medicamento em uso ou a doença. Lembre-se de dizer quais são os outros medicamentos que você está usando, prescrito por outros médicos. As informações que você levará ao seu médico são fundamentais para a avaliação da evolução do seu tratamento e ajudarão a definir a necessidade de acréscimo de outros medicamentos, ajustes de dose ou mesmo mudanças de medicação. A prática regular de exercícios físicos ajuda muito no tratamento, já que a mesma faz com que sejam produzidos as endorfinas, que são antidepressivos naturais e melhoram os sintomas.